Sandro Mabel condena alta de juros e aumento de IOF: “Prejudica as empresas e inibe a retomada da economia”

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás, Sandro Mabel, condenou a alta de juros e o aumento do IOF determinados pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC). “Somos contra essas ações do governo que visam aumentar impostos porque inibem a retomada da economia”, afirmou.

O Copom aumentou nesta quarta-feira (22) a taxa básica de juros, a Selic, em 1,0 p.p, para o patamar de 6,25% a.a. Esta nova alta veio depois do aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

De acordo com líder classista, a decisão do Copom amplia o sacrifício da população e aumenta a carga nas costas dos empreendedores num momento de recuperação dos impactos econômicos da pandemia.. “Todos serão prejudicados, especialmente os trabalhadores, uma vez que haverá menos geração de empregos”.

Sandro Mabel lembrou que a renda das famílias está comprometida com dívidas. “O percentual comprometido subiu de 49,4% em junho de 2020 para quase 60% em maio de 2021. Isso desaquece o consumo das famílias e produz quebra a atividade econômica, com menos emprego para os trabalhadores”, observou.

Ele disse que a decisão do Copom atinge em cheio as empresas. “É um desastre, notadamente por aumentar o custo do crédito, o que diminui a competitividade e repercute negativamente na retomada do investimento.

“Aumentar a Selic e o IOF no atual quadro da economia é um tiro do pé do próprio governo, justamente no momento que o país precisa gerar mais empregos e renda para os brasileiros”, concluiu.

Previous Article
Next Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.