Diretor de Colégio Militar é afastado após fazer revista íntima em alunos

O diretor do Colégio Estadual da Polícia Militar João Augusto Perillo e outros dois militares foram afastados da unidade de ensino após denúncia de suposta revista íntima contra alunos com idades entre 14 e 15 anos. Caso teria acontecido no banheiro da unidade na última sexta-feira (18). Policiais procuravam por drogas.

A assessoria do Ministério Público (MP) informou que o órgão instaurou inquérito para investigar o caso após denúncia de pais de dois estudantes. O promotor responsável pelo caso, Edivar da Costa Muniz, aguarda um relatório que é elaborado pelo Conselho Tutelar. A reportagem tentou contato com os conselheiros e foi informada de que só haverá manifestação após a confecção do documento para que não sejam repassadas informações erradas.

Segundo relatos de uma estudante, os alunos foram obrigados a ficarem nus nos banheiros para passarem por revista íntima. A garota, que não teve o nome revelado, afirma que havia uma policial no banheiro feminino e um policial no sanitário masculino.

No local, eles teriam sido obrigados a tirar a roupa e realizarem agachamentos por cinco vezes. A aluna disse ainda que se sentiu invadida com a ação e não quer voltar à escola por conta do ocorrido. Revista teria acontecido após denúncia de que alunos estariam envolvidos com tráfico de drogas.

A mãe da estudante afirma que os pais e o Conselho Tutelar não foram chamados para fazer o acompanhamento da revista, que a mulher descreve como violenta.

Em nota, o Comando de Ensino da Polícia Militar, informou que afastou os militares supostamente envolvidos da unidade escolar. Um procedimento administrativo disciplinar também foi instaurado para apurar as circunstâncias da denúncia.

Previous Article
Next Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.